TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

Se você está por fora ou ainda não entendeu esse movimento, respire e não se abata, pois você não está sozinho. Aliás, esse é um tema que está em alta e deixando muitos profissionais de cabelo em pé!

Apesar de ser um tendência mundial, a transformação digital (também chamada TD) ainda caminha lentamente em muitos países. A chamada TD é um dos efeitos da Indústria 4.0. E o Brasil, por exemplo, aparece atrasado em relação a muitos outros países.

De acordo com o Valor Econômico, a TD se tornou assunto de prioridade entre muitos países, inclusive latino-americanos, há pelo menos seis anos. No entanto, muitos executivos brasileiros estão atrasados e começaram a discutir a questão apenas nos últimos três anos.

Se você já ouviu algo sobre a revolução 4.0, então certamente sabe que nessa “revolução” um dos temas mais comentados é o impulsionamento que ela proporciona ao movimento de transformação digital, que entre outros pontos,provoca discussões acerca da possibilidade de substituição do homem pela máquina.

Sim, a partir de agora, essa discussão é séria, pois se nas atividades e rotinas repetitivas, a máquina ganhou espaço significativo, com a inteligência artificial, os limites foram muito expandidos.

Com essa expansão de limites, surgem dúvidas, críticas e visões diversas. Por exemplo, segundo Andre Bello, Professor do Centro de Referência em Inteligência Empresarial (CRIE), “dar foco no papel da tecnologia não é transformação digital; dar foco no papel da tecnologia é digitalizar processos. A transformação acontece quando tiramos o melhor proveito da tecnologia para o ser humano”.

Já Marly Vidal, Diretora Administrativa e de Recursos Humanos do Sabin, entende que o principal desafio da gestão de pessoas no cenário tecnológico é o de gerar inovação, “o RH precisa estar atento e refletir: a digitalização não vai substituir o homem, não é isso. A transformação digital vem para utilizarmos o melhor do profissional, deixando as tarefas repetitivas para serem feitas de forma automatizada. A área de recursos humanos deve ser uma facilitadora da construção da transformação digital dentro da organização”.

Bom, fato é que a TD é provocativa e lados opostos tem sido alimentados com dúvidas.

Com a TD, o homem será “melhor” porque pode usar, ainda mais, a tecnologia a seu favor? Ou o homem será “vítima” de um processo onde efetivamente será substituído.

Seja qual for a discussão é preciso entender que a transformação digital é um movimento sem volta e, se bem aproveitado, pode ajudar e muito na produção de novas soluções, no potencial de inovação e, principalmente, no desenvolvimento e execução de ações que possam agregar valor à vida do homem.

Na área comercial, a TD nos mostra que é hora de colocar foco no cliente, hora de eliminar todas as barreiras que impeçam uma experiência positiva do cliente, seja como consumidor ou usuário. A tecnologia proporciona o acesso quase irrestrito à informação, possibilita o acúmulo de uma grande base de dados que, se bem avaliada e analisada, permite entender novos hábitos e comportamentos!
Empresas que estão obtendo sucesso em processos de transformação digital têm 5 características em comum, segundo especialistas:

  1. Avaliam bem e escolhem a tecnologia certa para apoiar seu crescimento:
    O mercado tem mais opções do que nunca quando se trata de tecnologia. O excesso de informação geralmente causa confusão. As empresas vencedoras em transformação digital conseguem navegar pelo hype e dão às suas equipes um conjunto tecnológico focado para entrega de valor ao cliente, de maneira rápida e consciente.
  2. Colocam o usuário no centro do desenvolvimento de tudo
    Já não importa tanto se as empresas fazem “bons” produtos, mas se esses produtos geram interesse no consumidor. Como saber se a experiência do cliente é positiva, se a empresa não se concentra nele? Como aprender sobre o que mais frustra os clientes, se a empresa não conversa com eles? As empresas que se concentram mais nos processos de geração de empatia com o cliente levam vantagem.
  3. Repensam as integrações de dados
    Muitas empresas aderiram à inteligência artificial e ao movimento de
    aprendizado de máquina. No entanto, de nada adianta se eles não tiverem uma ótima captação e processamento de dados que permita uma análise refinada e ações assertivas. Em outras palavras, conhecimento bom é conhecimento que se usa!
  4. Aceleram o time-to-market: Em estruturas lean, o estoque geralmente é baixo. O mesmo se aplica às
    equipes de software. O código só é verdadeiramente valioso quando está em produção e as empresas estão aprendendo com quem o utiliza. Se as empresas levam a sério a transformação digital, elas devem garantir que o software esteja em integração contínua e em pipelines de entrega contínua. Isso coloca o valor nas mãos de seus clientes mais rapidamente, o que significa que eles têm mais chances de impressioná-los do que seus concorrentes.
  5. Fazem investimentos certos
    Não existe almoço grátis! Tudo custa algo e a transformação digital não é exceção. No entanto, como as grandes empresas têm maiores recursos financeiros, isso não significa que o dinheiro e os recursos devam ser gastos sem critérios para seguir em frente.

Gostou do tema? Quer saber quais outros impactos o avanço das tecnologias trouxe para as empresas? Escreve pra gente e conte sua opinião, e para palestras e treinamentos a respeito deste tema, nos envie um email para [email protected]

Comentários

comentários

Post A Comment